Guilherme Costa. Foto: Rafael Arbex / Estadão

Márcia Rodrigues/Especial para o Estado

Termina nesta segunda-feira, dia 31, o prazo para estudantes do penúltimo ou último de graduação de qualquer curso se inscreverem no programa CEO por um dia. Realizado pela empresa de seleção e recrutamento de executivos Odgers Berndtson com apoio do Estado, PDA International, Machado Meyer Advogados e Centro de Carreiras da FGV Eaesp, o evento vai selecionar 21 jovens que acompanharão a rotina de trabalho de um presidente de empresa durante um dia inteiro. A inscrição só pode ser feita no site www.ceox1dia.com.br

“Há uma grande distância entre a teoria que é ensinada na universidade e a dinâmica do trabalho dentro de uma grande corporação. Acho que o jovem entra na universidade muito cru, sem entender se existe um alinhamento entre o perfil dele e o que ele almeja como profissão. E há uma idealização muito grande do que é a vida dentro da empresa. Acho que o desafio é trazer essa pessoa para dentro e evitar um choque cultural na saída da universidade e entrada na empresa”, diz o CEO da empresa de equipamento médicos Smith & Nephew, Guilherme Costa. Ele é um dos 21 dirigentes que aderiram ao programa.

 “O programa é interessante para os dois lados. Para as empresas, que terão a oportunidade de apresentar o seu trabalho por um dia e, até, para entendermos o ponto de vista dos profissionais que estão saindo das universidades. Para o estudante também, porque ele terá a oportunidade de acompanhar um dia do CEO ainda na faculdade. Com isso, ele vai entender como funciona de verdade o que ele ainda está conhecendo na teoria”, afirma o CEO da HP, Claudio Raupp – outro participante do programa.

Costa diz que o dia com o estudante ficará muito próximo da sua rotina, mas vai preparar algo mais alentado para a ocasião. “O estudante passou por um processo seletivo difícil, a sua expectativa será alta e para que ele consiga interagir com todas as áreas e tenha uma experiência diferenciada e que realmente entenda qual é o objetivo da empresa, vamos preparar uma programação.”

Claudio Raupp. Foto: Rafael Arbex / Estadão

O dirigente afirma que o jovem que está chegando ao mercado de trabalho deve ter visão clara do que ele quer para o futuro. “A paixão pelo trabalho se traduz diretamente em uma performance diferenciada. E é ela que vai assegurar o crescimento dele dentro de qualquer empresa. Então, é preciso existir um alinhamento entre o que essa pessoa gosta e o que ela almeja para o futuro. É importante quebrar alguns paradigmas dentro do glamour que envolve algumas funções atualmente.”

E cita um exemplo: “O candidato acha muito interessante uma posição de marketing ou de gerente de produto, mas tem preconceito velado sobre as posições de vendas. E dificilmente se chega à posição de CEO, ou de presidente de empresa, sem se provar em funções estritamente comerciais”, afirma. “Mas acho que o mais importante é ter uma visão clara do que a pessoa quer para o futuro e ter um planejamento para o futuro.”
O dirigente ainda diz que o grande desafio da nova geração é administrar a expectativa de crescimento profissional rápido. Segundo ele, os jovens idealizam que todos vão crescer rápido dentro da empresa, mas não avaliam que a grande responsabilidade por esse crescimento é do próprio colaborador.

“Esses profissionais têm de continuamente correr atrás de melhorar o conhecimento de idioma, melhorar a expertise em liderança, ter técnicas de negociação, porque quando a oportunidade surgir, quem estiver mais preparado é que vai assumir essa oportunidade”, afirma, ressaltando que o jovem tem de se conscientizar de que é ele quem tem de correr atrás e suprir os próprios gaps. “E a concorrência está cada vez mais acirrada, há muita gente com bom perfil, e aqueles que se diferenciam são os que despontam. E quando se fala em perfil diferenciado, hoje se contrata muito mais por atitude do que por conhecimento técnico.”

Raupp, da HP, afirma que a sua agenda diária é muito heterogênea, o que possibilitará ao estudante acompanhar diversas atividades e ter uma visão ampla do negócio e da carreira do CEO. Entre suas atividades diárias estão: reunião de diretoria para abordar assuntos da agenda da semana e pontos que a empresa precisa observar nas áreas de negócio; atividades externas com parceiros e fornecedores; ações com clientes; visitas aos pontos de venda; planejamento de produção e marketing.

“Durante a semana eu também tenho almoços e jantares de negócios, mas o meu fim de semana é dedicado à família. O equilíbrio pessoal e profissional do CEO é muito importante.”

Para o CEO, o jovem precisa ter a cabeça aberta para todo tipo de oportunidade de conhecimento e aprendizagem, sem medo de correr risco. “Ele precisa se comportar como uma startup dentro da corporação e sempre se reinventar. Vivemos um momento de transformação digital e esperamos que esses novos profissionais tragam isso para a empresa.”

Raupp também diz que os novos profissionais não devem ter pressa para ascender na carreira. “Por mais ansiedade que tenha, ele não será CEO no primeiro ano. Inovação é importante, mas experiência também conta para ter sucesso na carreira.”

Comentários